Trash to Trend











{02/08/2010}   Ryan Adams – Gold

Este é um CD um pouco antigo, mas é o melhor deste americano pouco conhecido e muito bom.
Ryan tem muitas influências de rock, mas a maior pegada de suas músicas é o Country.

Ainda novo, ele formou a banda Whiskeytown, também de Country Rock, que terminou por conta, entre outros, do estilo de vida junkie de seus integrantes, que não conseguiam nem mais fazer bons shows.
Com o fim da banda, Ryan se aquietou por um tempo e iniciou sua carreira solo.

Seu segundo álbum solo, Gold, tem uma história interessante. Lançado em 2001, Ryan se recusa a gravar vídeos, fazer programas de rádio e outras coisas que a gravadora impõe. Contudo, ele acaba gravando o clipe da música “New York New York”, com o horizonte da cidade e o WTC de fundo, gravado poucos dias antes dos ataques de 11 de setembro. Por conta disso, o clipe repercutiu e apresentou Adams para o público mainstrean.

Ryan Adams já gravou com Elton John, fez um famoso cover de Wonderwall, do Oasis (sobre o qual, Noel Gallagher comentou “nunca tinha prestado atenção nesta música até ver Ryan Adams toca-la, e ele fez um ótimo trabalho”) e foi essa música que deu a ele uma indicação ao Grammy para melhor cantor de rock.

Ele já participou de diversas trilhas de séries (como ER, Scrubs, Six Feet Under, Cold Case) e filmes, como Hancook e Must Love Dogs.

Sobre o álbum Gold, tenho minhas músicas preferidas. As mais animadinhas são New York New York (que, para mim, tem cara de abertura de filme, carrão vermelho numa estrada de terra, essas coisas) e Gonna Make You Love Me. The Rescue Blues é muito bonita, com um coral ótimo no fundo. As lentas Hollywood Blvd e When The Stars Go Blue são as mais românticas (esta última, já foi regravada pelo U2). Mas a música que mais me impressiona é Tina Toledo Street Walkin’ Blues, um blues de 6 minutos, com muitos riffs e a história de uma prostituta que sustenta a filha e paga a faculdade de medicina.

Download do Álbum “Gold”

Site Oficial

Anúncios


{22/02/2010}   Kerli – Love is Dead

Esta loira de 22 anos, nascida na Estônia e que mora em Los Angeles, não é uma cantora nova, porém promete cada vez mais.

Seu primeiro disco, Love is Dead, mostra muito da personalidade da cantora. Misturando o rock com o eletrônico, o disco possui baladas lindas, músicas pesadas e dançantes, e um clima sombrio característico.

Este clima está nas músicas, nas letras, no site. Até pelo que ela fala em usa biografia, Kerli parece ser uma pessoa que se sente deslocada, que não pertence bem na sociedade “normal”. E como a maioria dos artistas, isso dá ótimas músicas!

As músicas de Kerli já fazem parte da trilha sonora de jogos (“Burnout Paradise” e “Quantum of Solace”),  filmes (“O Justiceiro: Zona de Guerra”) e atualmente teve uma música encerrando um episódio da nova série “Drop Dead Diva”.

Outro destaque para a artista é a excentricidade de suas roupas. Aliás, isso está bem na moda. Me lembra bastante o que a Gwen Stefani usa.

Os modelitos são feitos por ela mesma, que já declarou que pretende ter uma grife de roupas e acessórios. Vai fazer sucesso também, tenho certeza!

Um dos primeiros clipes de trabalho do álbum Love is Dead foi “Walking on Air”. Vale muito a pena ver e perceber a sutileza das metáforas, da encoberta das emoções, do fingir ser.

Kerli está trabalhando atualmente no segundo disco, ainda sem nome, e já apresentou algumas músicas inéditas em shows. É esperar para ver!

Download do Álbum Love is Dead

Site Oficial



et cetera